domingo, outubro 14, 2018

A farsa do discurso fascista!

Procurando explorar as preocupações que mais afligem os brasileiros, principalmente a classe média, o discurso fascista vem apresentando soluções simples, que resolveriam num estalar de dedos as principais questões vividas no Brasil.  Mas será mesmo?

Antes de mais nada, apoiados por parte do exército, que tendo a missão de vigiar as fronteiras brasileiras, já demonstrou tantas falhas quanto os civis, pois pelas fronteiras é que passam drogas e armas que abastecem a criminalidade. Nem é preciso estender mais sobre isso. Bastante visível.

O protagonista desse discurso hoje, o candidato Bolsonaro, apresenta-se como o "novo" fora dos padrões da velha política..  Mas ele já está no 7° mandato hká 28 anos como deputado federal... E então, o que há de novo em sua trajetória?

Seu currículo também não apresenta nada que o credencie à presidência da República, apenas duas propostas aprovadas... no mínimo não consegue conversar com o congresso.

Há alguns dias assisti um vídeo enviado pelo messenger, onde uma ativista ou candidata do psl, Naomi, alertava seus seguidores para a descoberta de um núcleo de fraude nas urnas...

Dizia que não poderia ainda falar o nome da pessoa que revelou, mas que era de muita credibilidade... E também que esta pessoa havia contactado o "alto" escalão do exército, porém estes já estavam cientes...

Tudo sem apresentar uma única prova, nem mencionar nomes... Então ela concluía sua fala paranoica, dizendo que era preciso que todos fossem às ruas exigir o voto em cédulas de papel, e que estas deveriam ser contadas por soldados do exército... Tá aí o teor do discurso:

Dá até pra imaginar o general Mourão, vice do Bolsonaro, coordenando a contagem dos votos... 

Quem acredita nisso?

Pois então o que se apreende desse discurso é uma pressão, para desacreditar o processo eleitoral, à fim de deturpar, desqualificar uma possível vitória do concorrente.  Assim se ganharem, ficam com a crítica, de que poderiam ter mais votos dos que foram apresentados, e ... se perderem, devem estar justificando o não reconhecimento ... 

Aí sim, nesta farsa pretendendo mais um golpe, pra tomar o poder.  Esta é a farsa.

Este partido, o psl, e seu candidato não justificam suas postulações:  NÃO PRESTARAM QUALQUER SERVIÇO À NAÇÃO, JAMAIS PROTAGONIZARAM QUALQUER ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM CARGOS ELETIVOS.  NÃO TEM COMO APRESENTAR UMA GESTÃO DE PREFEITURA SE QUER PRA JUSTIFICAR SUA PRETENSÃO A OCUPAR A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.

São estes que estão aí pretendendo tumultuar o processo eleitoral. Só não foram mais à fundo nisso, por julgar que as pesquisas estão sendo favoráveis.  De momento que este quadro virar, assim que os eleitores brasileiros, perceberem a bravata, o vazio que representa, tudo pode mudar. 

Espero que os brasileiros possam ser experientes o suficiente para ir às ruas se preciso, para assegurar a nossa democracia.

Pois com todas as falhas até hoje, sempre possibilitou a chance de corrigir trajetórias e de alternar o poder. 

sexta-feira, outubro 05, 2018

Mercado à favor de quem?

Até eles agora entraram na boca de urna.

Se o tal candidato melhora nas pesquisas, pimba: a bolsa sobe o dólar cai.

Se o tal candidato oscila pra menos, pimba: a bolsa cai, o dólar sobe.

E... quem é esse tal "mercado"?

Um grupo de investidores, especuladores em torno da bolsa de valores, ultragananciosos, só na expectativa de ganhar muito, mas muuuuiiito dinheiro mesmo. 

Não fazemos ideia de quanto, mas são muitos zeros à direita, bilhões.

E estão apoiando um dos candidatos, obviamente com um interesse em comum; as privatizações prometidas pela sua equipe.

Comprar empresas estatais bem posicionadas no país, à preço de banana... ah isso os "investidores" do mercado gostam muito.

Mas tenho uma informação:

Esse tal mercado, não se sente nenhum um pouco solidário com a situação dos brasileiros.

Pra eles pouco importa se os brasileiros, vão viver bem, se vão fazer três refeições ao dia, ou nenhuma...

Se vão morar em locais dignos, ou em favelas ou até nas ruas... 

O mercado empurra isso pro governo do país.

O negócio deles é só ganhar muito dinheiro.

Portando, pra onde o mercado aponta, pouco importa, o que deve nortear os brasileiros, é o bem estar da nossa população: Quem será o candidato que poderá trazer uma melhora nas condições de vida da nossa população.

O mercado, a mídia, a bancada do boi, da bala, da bíblia, parece quem tem algo em comum$$$$$$$$$$$$$$. 

Só pra eles.

quinta-feira, outubro 04, 2018

Não se trata de contas, mas de programas!

Parece que hoje o que só interessa na mídia é abordar os números que cada candidato vem alcançando, e as possibilidades de cada personagem.

Como se o centro dessa eleição fosse somente a figura em questão, que está buscando votos, sua aceitação ou rejeição, etc. e tal.

Acho que neste momento, temos duas grandes possibilidades para o futuro próximo: 

1) seguir neste mesmo rumo que o Brasil está desde o golpe de 2016, entregando estatais, áreas do pré-sal, favorecendo às grandes fortunas, aos bancos, às multinacionais... E enviando a conta para população: 20 anos de cortes em gastos com educação, saúde, infra estrutura.

2) resgatar o programa interrompido com o golpe de 2016, que prevê a manutenção das estatais estratégicas para o Brasil, fortalecimento da Petrobras, construção de plataformas em nosso território, investimentos em infra estrutura e pessoas.  Reforço nos programas sociais, na saúde pública e educação.  

No primeiro caso, não se faz questão de entregar a autonomia do país aos Estados Unidos, ao que tudo indica, são os principais interessados econômicos na ascensão deste pseudo ditador, que vem arrebanhando simpatizantes, mas que tem um seleto time de investidores, banqueiros e até do tio san por trás de sua movimentação.

No segundo caso, o Brasil resgatando sua autonomia, voltando a recuperar sua soberania econômica e popular. 
Recuperando valor do salário mínimo, investindo na geração de empregos, e fortalecendo nossa economia, sem entregar nossas divisas, nossas riquezas. Taxando um pouco mais as grandes fortunas, e aliviando os assalariados.

Acho que a estratégia da mídia, hoje está em manter o principal líder político, Lula preso, e a constante difamação do PT, ao passo em que se prepara o terreno para entregar a autonomia e as riquezas do Brasil, ao domínio multinacional, como maior controle dos Eua.

Enquanto  se diz que "nossa bandeira jamais será vermelha" na prática se programa a pintura de uma bandeira norte americana sobre a brasileira.

Estou do lado do povo brasileiro, com Lula, por sua libertação, contra esse nefasto momento de perseguição política, contra o PT e os projetos de esquerda, pela melhoria na distribuição de renda, e maior autonomia do país. Voto nesse programa voto 13.




segunda-feira, setembro 10, 2018

Ministro vira réu mas ainda tenta desmontar os Correios;

Em pleno apagar das luzes da política, onde a atual gestão está de saída, uma parte tentando buscar votos pra permanecer, outra ciente que não tem como voltar, eis que ainda tentam prosseguir com o processo de  desmonte dos Correios.

O atual ministro de Ciência Tecnologia e Comunicações, gilberto kassab acaba de se tornar réu na Justiça de São Paulo.

O ministro teve mais de 21 milhões de Reais bloqueados por suspeita de caixa 2, em processo movido pelo Ministério Público de São Paulo. 

Na acusação o MP indica que esse montante foi recebido da construtora Odebrecht.

Neste momento está em curso uma nova ação de desmonte nos Correios, estatal comandada por este ministro, com a previsão de fechamento ainda este mês de 41 agências, conforme já foi divulgado à imprensa.

O fechamento dessas agências, seria parte de um suposto processo de "transformação"... 

Agora com o ministro titular da pasta tornando-se réu, os brasileiros não podem aceitar mais este ato que na realidade só pode causar ainda mais prejuízos aos Correios, e consequente piora nos serviços prestados.

Importante que a CGU, Controladoria Geral da União, intervenha o quanto antes, para impedir esta nefasta ação contra esta importante empresa estatal, que ainda tem a missão de aproximar os brasileiros de TODAS AS REGIÕES.

Isto independente daquela região que proporcione maior lucro nas atividades, em relação daquelas que nem geram lucro, mas onde vivem brasileiros que também têm o direito aos serviços de comunicação, de entrega de cartas e encomendas.

A atual gestão política, não tem credibilidade para efetuar essas ações questionáveis contra os Correios.  

E isto ainda precisa ser analisado com vistas a apurar os reais interesses que estão por trás dos fechamentos de agências.

Até aqui o que vem prevalecendo nesta gestão é o favorecimento à empresários interessados em faturar, num ramo de atividade seguro, onde encontrariam lucros assegurados...  

Assim há um ano, já foram removidos em muitas agências próprias dos Correios, as máquinas de franquia, que possibilitavam a postagem de milhares de cartas com mais agilidade, o que favoreceu o faturamento de empresários que comandam agências franqueadas.

Agora esta ação de fechamento de agências, vêm certamente no mesmo sentido, de desmontar a empresa pública e transferindo atividades lucrativas à empresários. 

Estes ligados ao setor público estão em busca do chamado "filé", mas não se interessam em servir à população, como se exige desta atividade nos Correios.

Agora que o ex pior prefeito de São Paulo dos últimos anos, e agora ministro questionável da pasta que inclui comunicações, se tornou réu, suas ações subsequentes precisam ser bloqueadas de forma urgente, para evitar maiores danos ao patrimônio público, principalmente aos Correios.




quarta-feira, agosto 29, 2018

Você digitou no celular, enviou, mas..quando viu ...

Tanto trabalho pra digitar uma mensagem mais longa, tentando colocar as vírgulas pra facilitar a compreensão , mas ... quando você vai ler o que acabou de enviar...

O susto: várias palavras foram trocadas e a mensagem em boa parte perdeu o sentido.

Será que só eu notei isso? 

De jeito nenhum. Esta é uma das coisas que a maioria das pessoas que se comunicam pelo celular, se depara todos os dias.

Parece que os insensíveis nesta questão, são esses desenvolvedores ocultos. 

Quase impossível achar um assim na sua frente, pra poder reclamar disso.  

Mas como assim, o que eu digitei, mudou completamente?

Também estou procurando esse ou esses desenvolvedores de sistemas de textos em celular, não sei se vou encontrar um deles...  

Resolvi abordar esse assunto, e levar desde já a reclamação de milhares de usuários: Parem de mudar as palavras que digitamos!!!  

Bem que esta palavra opcional, que chega até a mudar o sentido da mensagem, poderia ficar num trecho acima, para que o usuário eventualmente pudesse até substituir por aquela que acabou de digitar, se achasse melhor.

Agora simplesmente, ver aquilo que você digitou mudar abruptamente, sem que você possa evitar na velocidade em que o tema exige... 

Aí é demais, mexe com os nervos, faz a pessoa perder tempo se explicando em nova mensagem. Coisa que já virou corriqueira.

Quem sabe esses desenvolvedores ainda possam alterar essa fórmula, para facilitar a vida de quem usa o celular para enviar mensagens.

Deveria ser esta a missão desses desenvolvedores: FACILITAR A VIDA DAS PESSOAS.

quinta-feira, agosto 16, 2018

Violência do golpe;

O golpe que assolou o Brasil desde 2016, vem produzindo efeitos na população, principalmente por sua extrema VIOLÊNCIA.

Mas... que violência? 

A violência psico-social. Aquela em que a articulação entre poder político, mídia, alta corte da justiça, se unem e formam um organismo único, agilizando de forma inesperada a difamação, e a condenação.

O que vem ocorrendo no Brasil, é de espantar. Autoridades, saem de seu posto, fazem ligações, intervém em outro poder, para assegurar que a vítima de sua articulação, no caso o ex presidente Lula, permaneça preso.

A população, diante de tamanha articulação fica sob efeito desta overdose de aplicações psico sociais, que atingem em cheio o pensamento de todos.

Se em 1964 o golpe veio com violência física, este mais moderno, vem com AÇÃO PSICO SOCIAL, que também deve ser estudada profundamente.

Como se sabe o golpe já é tema de estudo em universidades, no Brasil, e na Inglaterra.

A violência do noticiário, onde as grandes emissoras, simplesmente escolhem o que a população pode ver.

A violência de ver a entrega de importantes empresas brasileiras aos interesses multinacionais, como favorecimento de isenção de impostos... 

Corte de verbas para saúde, educação, aumento do desemprego, da miséria.

Ameaças de privatizações de importantes empresas, lucrativas e de grande significado ao desenvolvimento do país, como Correios, Petrobras, e tudo que interessa às multinacionais.

Notícias favoráveis ao presidente cassado, difamado e encarcerado, simplesmente não entram para a grade televisiva.

Uma entrevista de um prêmio nobel da paz, como a de Adolfo Pérez Esquivel, esclarecendo sua opinião sobre o golpe no Brasil, e América Latina, é ignorada.

Ao mesmo tempo processos contra representantes das oligarquias, são encaminhados para suas cidades, paraísos onde sempre reinaram, governando com todas denúncias, à vontade...

Mas qualquer declaração contra aqueles perseguidos pelo golpe, são elevadas ao grau máximo de destaque.

Processo de violência psico social, que vem ocorrendo também no Equador onde já houve até o pedido de prisão do ex presidente Rafael Correa, e na Argentina, onde tentam criminalizar a ex presidente Cristina Kirschner.

Não há dúvidas, sobre a articulação golpista: até "concedem" o direito à defesa, mas sem que qualquer argumentação seja levada em conta. Só um teatro para parecer que houve alguma chance...

Por trás do golpe, começa a surgir a figura do grande chefe: Um enviado do império americano, para discursar nas terras da colônia.

Os brasileiros até aqui assistem a tudo, meio incrédulos, atônitos, tentando seguir em frente, e enxergando a subtração de seus direitos, o aumento da opressão econômica, e ainda sem aquela necessária chama de revolta capaz de promover o levante contra esta violência.

Não divulgar fatos, deixar de comunicar notícias de fatos, é uma violência. Articular no poder, com canetadas decisórias, com amparo da mídia, patrocinada pelos grandes da economia, é a maior de todas as violências.

A violência psico social.

quinta-feira, agosto 09, 2018

Correio é um negócio como outro qualquer?

Já ouvi político de destaque afirmando isso: Correio é um negócio como outro qualquer.

Também já ouvi candidato dizendo que...."Correio não tem jeito tem que fechar mesmo, ninguém quer comprar, tem que fechar..."

Como pode ser tão ignorante assim...

Se alguém olhar somente para o centro urbano mais desenvolvido de São Paulo, e fixar nisso, vai achar que Correio é um negócio como outro qualquer.

Mas se olhar para o país inteiro, em todos estados, as áreas mais longínquas... vai mudar de ideia.

Digamos que nas cidades onde há maior volume de tráfego de encomendas e cartas, uma atividade de entrega de remessas pode ser mais lucrativa.

Daí arrecadar para suportar bancar o mesmo serviço nas cidades mais distantes, com  menor volume de remessas e dificuldade de acesso.

Essa é a diferença de um negócio para um setor que precisa atender TODAS REGIÕES  e TODA POPULAÇÃO, para simplesmente um negócio lucrativo que acontece somente em grandes centros bem desenvolvidos.

Ninguém vai querer mesmo comprar uma empresa, que na realidade atende ao país inteiro, e portanto existe em amplas áreas onde não dá lucro. Mas tem uma importante função social de integração do país.

Alguns mais espertinhos dizem que isso é mimimi... fácil falar pra quem só está de olho aceso para abocanhar somente lucro.

Mas como ficam os brasileiros das cidades mais distantes, e que precisam também adquirir produtos, e remessas via web para serem entregues via Correio?  então só serão atendidos aqueles que vivem em grandes centros, os mais desenvolvidos?

Para deixarem de dizer besteiras, tentem aprofundar mais nos temas que tratam.

Outra coisa, é o monopólio na entrega de cartas. É o único que o Correio brasileiro ainda possui. E tem lá sua razão de ser.  Não é uma atividade de todo lucrativa, também somente nos grandes centros.

Há uma intensa remessa desses serviços, por parte de empresas. Então engana quem sai por aí dizendo "ninguém manda mais cartas". Quem trabalha nos Correios sabe que isto não é verdade.

O contra ponto a isto é: Há quanto tempo você não abre sua caixa de spam no seu endereço eletrônico?  Pois é justamente por isto que empresários, enviam por correspondências seus resumos de serviços, documentos etc...

E eis aí uma atividade que necessita muito de pessoal, e boa parte das empresas preferem atuar no ramo de remessas de objetos. Onde não há monopólio, a concorrência é livre. 

Porém essas empresas, mantém uma "parceria" com os Correios, pelo óbvio motivo de que não vão onde os Correios conseguem chegar.

Daí a razão de "ninguém querer comprar", quem quer exercer uma atividade que não é lucrativa?

E quem é que vai encerrar uma atividade que é importante para os brasileiros?

Devido ao crescimento do mercado de postagens, via internet, esta atividade despertou a ganância de vários grupos, mas somente nos grandes centros. 

Esses grupos logo enxergaram o maior destaque nessa atividade: Os Correios brasileiros.  

Daí a pressão contra essa empresa, para que possam tomar esse mercado.

Mas somente onde é mais lucrativo.

As pessoas precisam ficar mais alertas a isso, à intensa movimentação de ideias, sobre setores, onde há interesses em jogo. Nem tudo que reluz é ouro.

Mas o que é importante e fator de desenvolvimento ao país, precisa ser preservado. 


O que define uma grande nação;

Estamos agora discutindo com mais intensidade os rumos do Brasil para os próximos anos.  

Virou lugar comum falar do Brasil que se quer, óbvio falamos do que mais ouvimos, a corrupção, todos querem um país sem corrupção. Menos aqueles que ainda querem abocanhar alguma coisinha...

Existem entretanto alguns aspectos que formam a base para uma grande nação, eu destaco QUATRO DELES:

1) SAÚDE,

2) EDUCAÇÃO,

3) HABITAÇÃO,

4) TRANSPORTE

Para um país crescer e ser uma nação verdadeiramente justa, o ESTADO, precisa oferecer de maneira ampla e atendendo à TODA POPULAÇÃO, saúde, educação, em todos os níveis, até universitário.

Precisa tratar a questão da habitação, não como um negócio como outro qualquer, mas como uma necessidade básica, e que toda população precisa ter acesso.

Se o Brasil prosseguir nesse rumo em que tudo tem que gerar lucro, chegaremos a uma sociedade inóspita, um lugar muito difícil de se viver.

Onde uns alcançam mas terão dificuldades de sobreviver diante da violência social contra uma grande parcela, que não terá acesso a esses bens tão necessários e básicos à vida.

O transporte também é fundamental, devendo ser o mais amplo, e em diversas modalidades, rodoviário, ferroviário, marítimo. 

Países onde se oferece boa qualidade de vida, conseguem atingir ótimo padrão de oferecimento desses serviços.

Exemplo; Canadá, Suécia, Japão, Austrália, e tantos outros. 

Por que não podemos ter esse padrão de vida aqui?

Justiça Social, abrange isso, esse acesso amplo e facilitado à saúde, educação, habitação e transporte.

Já tem político que acha que pode melhorar o padrão de serviços privatizando tudo. 

Em São Paulo já se chegou a propagar a ideia de que até cemitério deve ser privatizado. Fico imaginando a propaganda que fariam ...

Quem sabe um morto sorrindo ao lado de um caixão, dizendo que neste cemitério pode se ter uma morada tranquila... haaa haaaa haaaaa....

Eu hein... se tudo tiver que render lucro, aí o ser humano não será o primeiro na lista das preocupações de um estado, mas só a figura do lucro.

É disto que precisamos tratar. O que é função do estado oferecer, e proporcionar o mais amplo acesso.